Início Conselho Brasileiro de Oftalmologia








11 usuário(s) online



Busca  
Login  






15/1/2006
O que fazer para proteger os olhos do sol


Vasco Jorge

Ele é o grande astro do verão, mas é tão sedutor quanto perigoso. Como um deus cruel, castiga quem não sabe respeitá-lo. Veja aqui como evitar as chibatadas de seus raios

Discretos, mas persistentes, os raios UV ou ultravioleta estão sempre presentes quando pinta o sol. Nem quando as nuvens entram em cena você fica livre deles. Agora, prepare-se para ver seu poder de fogo! Três partes do olho são afetadas pelos raios UV: a córnea, a parte mais externa; o cristalino, lente localizada atrás da íris que ajuda a focalizar os raios de luz na retina (a catarata, por exemplo, é a dimininuição da transparência do cristalino); e a mácula, que é a parte mais sensível, o ponto central da retina, que proporciona a visão mais detalhada.

A córnea pode sofrer queimadura por UV, o que é extremamente doloroso. Suspeita-se também que esses raios de sol possam levar o cristalino a sofrer pigmentação, embora depois de um certo tempo, ele acumule mesmo pigmentos para filtrar o UV, com o intuito de proteger a mácula.

A mácula pode sofrer uma queimadura quando a pessoa fica em um ambiente extremamente claro, como na neve; e isso é mais grave, pois, de todos os problemas, é o que não se consegue tratar.

O que fazer, então, para proteger os olhos? Usar óculos escuros? Sim e não. Explica-se: lentes de qualidade bloqueiam grande parte dos raios UV; mas usar lentes escuras vagabundas pode fazer ainda mais mal aos olhos. Quando você escurece o ambiente, automaticamente a pupila abre para deixar entrar mais luz e isso facilita a entrada do UV. Se a lente for escura mas não tiver a camada de proteção contra os raios, os olhos serão enganados – a pupila abre e os raios entram. Moral da história: a gente TEM de usar óculos de boa procedência. E isso vale para os solares ou de grau. Sim, as lentes oftálmicas também filtram o UV, mas é claro que se tiverem pigmentos na lente que aumentem essa capacidade de filtragem vão garantir maior proteção. O ideal é que as lentes protejam de 99% a 100%. E isso pode ser checado: algumas ópticas têm o equipamento (espectrofotômetro) que mede a porcentagem de proteção das lentes. Em todo caso, tenha por princípio usar óculos de marcas conhecidas – compradas em lugares conhecidos! Porque você pode comprar num camelô óculos de uma marca falsificada. Comprar um Hugo Boss num camelô e achar que é um Boss... não é! Fuja das falsificações!

Detalhes que fazem diferença

• Use sempre chapéu de abas largas, boné e óculos que absorvam a luz ultravioleta. O chapéu (ou boné) bloqueia cerca de 50% dos raios, protegendo os olhos dos raios que entram por cima ou pelos lados dos óculos.
• Não compre óculos que, em seu rótulo, digam apenas que “oferecem proteção”, sem especificar sua origem.
• O fato de uma lente ser mais escura não significa que ela protege mais. Ao contrário, pode causar mais danos porque engana os olhos: a pupila se dilata, procurando mais luz, e como não há proteção os raios ultravioleta do sol penetram livremente.
• Peça a orientação do seu médico oftalmologista para comprar óculos de lentes claras ou escuras.

Consultoria: Dr. Paiva Gonçalves Neto, chefe do Departamento de Oftalmologia do Hospital da Gamboa/Santa Casa da Misericórdia do Rio de Janeiro

Raios múltiplos!

Os raios UV, ou ultravioleta, têm três comprimentos de onda. O UVA, responsável pelo bronzeamento e envelhecimento da pele; o UVB, relacionado com as queimaduras de sol e o câncer de pele; e o UVC, que é completamente absorvido pela camada de ozônio. Os dois primeiros são os que causam danos aos olhos, incluindo catarata e cegueira da neve (queimadura dolorosa na superfície do olho).

Fonte: Juliana Mattar



           


<< Anterior Índice Próximo >>


Mais Recentes:
16/11/08 - Que você faz quando encontra uma pessoa cega?
16/11/08 - Lentes: contato imediato
16/11/08 - Alfabeto Braille
20/05/08 - Inverno: Olhos ficam mais vulneráveis durante a estação
20/05/08 - Degeneração macular: Doença pouco conhecida afeta milhões em todo o mundo