Início Conselho Brasileiro de Oftalmologia








5 usuário(s) online



Busca  
Login  






19/12/05
Luiz Carlos Sá

Palavra cantada: eu uso óculos

 

 

Um dos mestres da fusão rock-MPB, Luiz Carlos Sá não é apenas autor de sucessos como “Espanhola”, “Dona”, “Sobradinho” e “Caçador de Mim”; é também “o que usa óculos” da dupla Sá & Guarabyra, agora reunida em trio com Zé Rodrix

Luiz Carlos Pereira de Sá é carioca. Bem poderia ser mineiro. Afinal, já residiu em Belo Horizonte e para lá está voltando. Seus parceiros incluem o mineiro Flávio Venturini em sucessos como “Caçador de Mim” e “Criaturas da Noite”. E, sem alarde nem estrelismos, trabalha em silêncio: discretamente, está completando 40 anos de carreira, desde suas primeiras músicas gravadas nos idos de 1965-66 como “Baleiro”, “Inaiá” – lançada por ele mesmo –, “Capoeira de Oxalá” (no primeiro LP de uma jovem chamada Rosa Maria) e “Giramundo” – seu primeiro sucesso, na voz de Pery Ribeiro. Aos poucos foi ganhando nome como cantor e compositor – vale a pena procurar seu nome nas letras miúdas da autoria de sucessos ou raridades como “Homem De Neanderthal” com os Lobos (mais tarde revivida por Ney Matogrosso) e “O Burro Cor-De-Rosa” com Serguei.

Em 1967 Sá cantou na inauguração do Teatro Casa Grande ao lado de outro jovem de futuro, o baiano Gutemberg Guarabyra, com quem, ao lado do maestro e compositor Zé Rodrix, acabou formando o trio Sá, Rodrix & Guarabyra em 1971. Definindo seu estilo com o “rock rural” – equivalente brasileiro do caipirismo sofisticado de Crosby, Stills, Nash & Young –, o trio emplacou sucessos como “Mestre Jonas”, “Me Faça Um Favor”, “Primeira Canção da Estrada” e “Vamos Por Aí”. Com a saída de Zé em 1973, Sá e Guarabyra firmaram-se como dupla de cantores e compositores das mais bem-sucedidas, não só nas paradas de sucesso (“Dona”, “Roque Santeiro”, “Espanhola”, “Sobradinho”, “Cheiro Mineiro de Flor” e, claro, “Segunda Canção da Estrada”), mas também como autores de jingles para a Pepsi-Cola (“Só Tem Amor Quem Tem Amor Pra Dar”), a Nossa Caixa (“vem pra Caixa você também”) e o guaraná Taí (“chegou pra ficar na nossa”). Após Zé Rodrix participar de algumas gravações da dupla como convidado nos anos 1990, o trio se re-efetivou como tal em 2000 e vai indo muito bem, com shows por todo o Brasil.

Além de quatro décadas de carreira, Luiz Carlos Sá completou não aparentes seis décadas de vida neste dia 15 de outubro, conservando bom humor e disposição para ainda muitas canções de estrada...

Você, pelo menos desde o início dos anos 1970, sempre incorporou óculos à sua imagem pública, inclusive óculos escuros. Você tem ou teve algum problema de visão?

Sá – Miopia, astigmatismo e, atualmente, presbiopia.

Zé Rodrix diz que óculos são parte integrante da personalidade dele, por isso nunca se interessou em cirurgia para remover a miopia. Você é da mesma opinião?

Sá – Sou. Óculos nunca me atrapalharam. Jogo pelada de óculos... (risos)

Desde quando você usa óculos? Foi algo natural ou traumático, do tipo “virei o quatro-olhos da classe”?

Sá – Eu sempre quis usá-los. Uso desde os oito anos de idade.

A maioria de seus óculos é solar ou oftálmica? Gosta de usar óculos escuros?

Sá – Gosto muito de óculos escuros, mas uso racionalmente.

Você aderiu aos modelos “na pontinha do nariz” ou continua adepto das grandes armações?

Sá – Sou adepto dos multifocais. Com as lentes modernas, posso usar armações pequenas.

Tem uma marca preferida de armação? E que tipo de lentes prefere?

Sá – Armani, da Sáfilo. Lentes, Varilux Multifocais Style.

Quantos pares de óculos você tem?

Sá – Cinco. Dois claros, dois escuros e um reserva para presbiopia.

Qual seu par de óculos preferido? Por quê?

Sá - Meu Armani novo. Porque é novo, ora...

Alguma história engraçada ou trágica envolvendo óculos?

Sá – Uma vez, numa pelada, um dos jogadores adversários recusou-se a jogar porque o goleiro – eu – usava óculos. Na verdade eu tinha uma armação inquebrável com lentes especiais de resina que, em caso de bolada na cara, soltavam-se sem me ferir. Mas nem assim o cara jogou!

Qual o primeiro artista que lhe vem à mente quando se fala de óculos?

Sá – Woody Allen.

20/20 – Como vai o trio Sá, Rodrix & Guarabyra? Planos para disco de músicas inéditas?

Sá – Estamos loucos pra isso. Mas é difícil convencer as gravadoras de que estamos cansados de regravar as “Espanholas” e “Sobradinhos” da vida...

Você tem uma carreira-solo, embora bissexta. Algum plano para show e/ou disco solo? E como vão as atividades publicitárias?

Sá – Estou armando um show solo. Ainda faço alguns projetos especiais para propaganda na produtora Nova Onda, do Rio de Janeiro.

E a dupla Sá & Guarabyra?

Sá – Por enquanto ainda está embutida no trio (ri)...

Fonte: Revista Universo Visual



           


<< Entrevista Índice Próxima >>




Mais Recentes:
19/08/09 - Universidade oferece visão solidária
05/10/08 - Ivan Lins e os inseparáveis óculos
10/05/08 - Sessão da tarde com Léo Jaime
16/04/06 - Tom Zé - A jornada de um jovem setentão
26/02/06 - Zé Rodrix: usando a miopia a seu favor