Início Conselho Brasileiro de Oftalmologia








7 usuário(s) online



Busca  
Login  






1/10/2009
Cigarro aumenta o risco de catarata e degeneração macular

Cigarro aumenta em até duas vezes o risco de catarata e degeneração macular

Implantação da lei antifumo pode ajudar a proteger também os olhos do brasileiro

A lei que proíbe o consumo de cigarros, charutos e similares em lugares fechados e de uso coletivo já vigora em, ao menos, cinco capitais e cinco estados brasileiros. A medida já vale em Salvador, Goiânia e Belém, além dos estados de São Paulo, Ceará e Espírito Santo. Em João Pessoa, Curitiba e nos estados do Rio e Rio Grande do Sul, a lei ainda está em tramitação ou aguarda sanção do poder executivo.

A aprovação de medidas antifumo segue uma tendência mundial, que trata o tabagismo como um problema de saúde pública. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o hábito de fumar é a principal causa de mortes evitáveis no mundo e o fumo passivo é a terceira maior causa. Entre as doenças mais conhecidas provocadas ou agravadas pelo cigarro naturalmente figuram as respiratórias, cardíacas e cânceres, mas poucos têm consciência de que o tabagismo também interfere na visão.

O hábito de fumar aumenta em pelo menos duas vezes o risco de desenvolver catarata e degeneração macular relacionada à idade – duas das doenças que mais causam cegueira no mundo. Estudos também indicam que o tabagismo contribui para o agravamento do glaucoma e é um dos principais fatores de risco da doença de Graves, alteração muscular ao redor dos olhos relacionada ao funcionamento da glândula da tireóide, que pode até ocasionar a perda do globo ocular.

”As pessoas estão acostumadas a relacionar os males do tabaco à doenças respiratórias ou mesmo ao câncer. Chega a ser uma surpresa para o paciente quando ele descobre que aquela doença ocular que ele tem foi iniciada ou agravada pelo cigarro”, afirma o oftalmologista Paulo Elias C. Dantas, professor de oftalmologia do Setor de Córnea e Doenças Externas do Departamento de Oftalmologia e Ambulatório de Superfície Ocular e Lágrima da Santa Casa de São Paulo. O cigarro também piora quadros de Síndrome do Olho Seco, alergias oculares e promove desconforto àqueles que usam lentes de contato.

Catarata
A catarata é a principal causa de cegueira reversível no mundo e se caracteriza pela opacificação do cristalino, que é a lente natural dos olhos. O tabagismo pode agravar a doença devido à entrada de produtos químicos na superfície ocular - a partir da combustão e condensação do tabaco - e ao aumento da temperatura próxima ao cristalino, que causam danos ao seu metabolismo. “Os prejuízos são maiores para os fumantes de cachimbo, pois o calor da madeira potencializa o dano tanto da superfície ocular quanto da estrutura interior do olho”, afirma o médico.

Glaucoma
Doença que atinge o nervo óptico, o glaucoma se caracteriza pela perda progressiva do campo de visão. Como a perda é gradativa e geralmente assintomática, é comum que as pessoas só procurem ajuda médica quando a doença já está em estágio avançado. “Embora o cigarro não seja causa direta de glaucoma, há estudos que demonstram que a pressão interna do olho pode aumentar em 5 mmHg após cada cigarro fumado. É como se fosse um pneu com calibragem ideal de 20 mmHg tivesse um acréscimo de 5mmHg: ele ficaria todo inchado. Esse aumento de pressão pode danificar o nervo óptico e contribuir para o aparecimento ou agravamento do problema”, explica Dr. Dantas.

Degeneração macular
A Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI) é a principal causa de cegueira no mundo em faixas etárias superiores a 50 anos. A doença se caracteriza por uma lesão na mácula, área que nos permite enxergar detalhes finos com clareza. “A Degeneração Macular Relacionada à Idade pode levar à cegueira e é dose-dependente, isto é, quanto maior o tempo e maior o número de cigarros a pessoa fumou durante a vida, maior o dano à visão”, afirma Dantas. Não há cura, mas já existem medicamentos para o controle da enfermidade.

Doença de Graves
É uma alteração na glândula da tireóide que depende de fatores genéticos e hormonais, mas que é muito mais comum entre fumantes. ”A doença de Graves provoca inchaço nos músculos externos, causando a impressão de olho assustado, olho saltado. Em alguns casos, a pessoa não consegue piscar direito, tem dificuldade de fechar os olhos e pode chegar a perder a visão. Algumas vezes, as alterações nesses músculos são irreversíveis”, explica o oftalmologista.

Risco removível
O desenvolvimento dessas doenças oculares também depende de outras variáveis, como a herança genética. “Mas, ao contrário desse fator de risco, que ainda não é removível, o tabaco pode sim ser eliminado. Os danos ao nervo óptico e ao cristalino são irreversíveis, mas é possível contê-los”, ressalta o médico.

Embora os riscos de desenvolver uma doença letal sejam sempre muito enfatizados, o que os fumantes verificam na prática é mais que o risco de morte: uma perda drástica e gradual na saúde e na qualidade de vida ao longo dos anos – o que no caso da visão se traduz em um maior risco de desenvolver ou agravar doenças que podem levar à cegueira.

Fonte: Dr. Visão



           


<< Anterior Índice Próximo >>


Mais Recentes:
07/10/09 - 64% dos cegos do mundo são mulheres
07/10/09 - Diagnóstico precoce é essencial para evitar as doenças da visão
06/10/09 - Lentes de contato: mitos e descuidos que valem os olhos da cara
05/10/09 - Exercício físico é benéfico para pessoas com glaucoma
02/10/09 - Macacos daltônicos voltam a perceber as cores em tratamento


As opiniões expressas no texto acima são de responsabilidade exclusiva dos seus autores.