Início Conselho Brasileiro de Oftalmologia








13 usuário(s) online



Busca  
Login  






2/6/2008
32% das vagas para residência médica não são preenchidas no país

Um problema que pode afetar a qualidade no atendimento dos hospitais em todo Brasil: 32% das vagas para residência médica não foram preenchidas neste ano. Falta dinheiro para pagar o curso de especialização e muitas áreas tradicionais da medicina já não despertam interesse nos recém-formados.

A busca é por uma especialização. Durante dois anos, médicos recém-formados passam a maior parte do tempo em clínicas e hospitais atendendo e aprendendo.

As entidades credenciadas pedem e o Ministério da Educação autoriza as vagas de residência. Todas têm que ser financiadas por bolsas de estudo.

Um levantamento feito pelo MEC mostra que, das 25 mil vagas oferecidas neste ano para residentes de todo o país, oito mil não foram preenchidas. O principal motivo é a falta de recursos para o pagamento das bolsas.

O MEC também identificou que muitos médicos recém-formados estão optando apenas por especialidades que dão mais dinheiro e menos trabalho.

Entre as residências médicas menos procuradas estão: saúde da família e comunidade, pneumologia, nefrologia, neurologia e cirurgia cardiovascular.

Já as mais procuradas são: clínica médica, cirurgia geral, dermatologia, oftalmologia endocrinologia.

O Conselho Regional de Medicina de São Paulo esclarece que a residência não é obrigatória, mas é o melhor caminho para a especialização.

O coordenador de residência médica do MEC diz que é preciso incentivar os recém-formados a optarem por áreas mais carentes.

Fonte: G1



           


<< Anterior Índice Próximo >>


Mais Recentes:
07/10/09 - 64% dos cegos do mundo são mulheres
07/10/09 - Diagnóstico precoce é essencial para evitar as doenças da visão
06/10/09 - Lentes de contato: mitos e descuidos que valem os olhos da cara
05/10/09 - Exercício físico é benéfico para pessoas com glaucoma
02/10/09 - Macacos daltônicos voltam a perceber as cores em tratamento


As opiniões expressas no texto acima são de responsabilidade exclusiva dos seus autores.